Câncer de mama supera o de pulmão e se torna o mais comum no mundo

22 de abril de 2021

Recente levantamento divulgado pelo Global Cancer Observatory (GCO) revela que, em 2020, o tumor de mama foi responsável por 11,7% dos novos casos de câncer no mundo, afetando 2,26 milhões de pacientes, superando o de pulmão, com 2,2 milhões de novos casos, tornando-se a neoplasia mais com maior incidência mundial, mas na quinta posição quando se fala em número de mortes. Entre os fatores de risco mais comum estão o envelhecimento da população e a obesidade.

Dados da OMS indicam que no Brasil o câncer de mama é o segundo mais comum em mulheres. O Instituto Nacional de Câncer – INCA aponta para o triênio 2020-2022 uma estimativa de 66.280 novos casos, com um total de número de mortes de 18.295, sendo 18.068 mulheres e 227 homens (Atlas de Mortalidade por Câncer – SIM, 2019).

Segundo o mastologista Lucas Budel, do Instituto de Oncologia do Paraná – IOP, uma das razões da maior incidência dos casos de câncer de mama no mundo pode estar diretamente relacionada ao envelhecimento da população, maternidade tardia e também a fatores de risco, como obesidade, sedentarismo, maus hábitos alimentares e consumo de álcool.

No Brasil, campanhas como as do Outubro Rosa ajudam na divulgação da prevenção e combate ao câncer de mama. “Exames de rastreamento como a mamografia ajudam a detectar precocemente o câncer de mama, o que faz aumentar a possibilidade de cura em 90%. É recomendado que as mulheres realizem a mamografia uma vez/ano a partir dos 40 anos”, destaca o médico.

Câncer de pulmão no mundo

Com 11,4% do total, o câncer de pulmão é o segundo mais encontrado, mas continua a ser o que mais mata pessoas. Em 2020 foi responsável pela morte de quase 1,8 milhão de pessoas, 18% do total de mortes por câncer.

O INCA aponta que o câncer de pulmão é o segundo mais comum em homens e mulheres no Brasil (sem contar o câncer de pele não melanoma), com uma estimativa de 30.300 novos casos, sendo 17.760 homens e 12.440 mulheres.

Em estágio inicial, esse tipo de câncer tem melhor prognóstico e é mais passível de tratamento. Vale ressaltar que o tabagismo é o grande responsável pela maioria dos casos, principalmente entre adultos de 50 a 80 anos que fumam ou pararam de fumar nos últimos 15 anos.

Segundo a oncologista clínica Thaís de Abreu Almeida, do IOP, os principais sintomas do câncer de pulmão são a tosse persistente, dor no peito, falta de ar e escarro com sangue. “É preciso também observar se a pessoa apresenta fadiga, perda de peso, de apetite e mesmo inchaço no peito e face. A orientação, principalmente para fumantes que apresentem esses sintomas, é procurar um especialista para uma avaliação”, destaca.