Consumo de nozes e a sobrevida de pacientes com câncer de cólon em estágio III



3 de fevereiro de 2021

A relação entre o consumo de nozes e sobrevida de pacientes com câncer de cólon em estágio III

Estudos prévios já reportaram que a ingestão de nozes está associada a um menor risco de diabetes tipo 2, síndrome metabólica e resistência à insulina. Estudo publicado recentemente na National Library of Medicine (NLM), da National Center for Biotechnology Information (NCBI), dos Estados Unidos, mostrou a relação entre o consumo de nozes e a sobrevida de pacientes com câncer de cólon. Foram avaliados 826 pacientes com câncer de cólon em estágio III, através de questionários alimentares, durante mais de 6 anos de seguimento. Entre os pacientes que consumiram duas ou mais porções de nozes por semana, foi observado menor risco de recorrência do tumor e menor mortalidade.

A endocrinologista e metabologista do IOP, Juliana Kaminski, explica que o consumo das nozes pode reduzir as taxas de diabetes tipo 2, possibilitando assim um melhor prognóstico. “As nozes são ricas em ácido graxos insaturados, proteínas de alta qualidade, fibras, vitaminas, minerais, fitoesteróis e elementos antioxidantes. Essa combinação de nutrientes favorece a ação da insulina, reduz os níveis de glicemia, e tem potencial anti-inflamatório e anticarcinogênico.”

No entanto, vale sempre ressaltar a importância de manter uma dieta balanceada, não apenas para pacientes com câncer de cólon, mas sim os que são diagnosticados com qualquer tumor. “Nenhum alimento isolado deve ser considerado milagroso contra alguma doença, pois a composição de todos os alimentos da dieta e a quantidade total de calorias ingeridas ao longo do dia é o que de fato se considera para a saúde. Portanto é fundamental, durante o tratamento oncológico, o acompanhamento com nutricionista. Além disso, já está claro que a alimentação saudável pode prevenir o surgimento de vários tipos de tumores, inclusive o câncer de cólon”, finaliza Dra. Juliana.