Agende uma consulta

Dezembro Laranja: com a chegada do verão, cuidados de prevenção contra o câncer de pele devem ser maiores

Estudo recente prevê que o país terá 704 mil novos casos de câncer de pele por ano até 2025

O tumor com maior incidência no Brasil é o câncer de pele não melanoma, representando 31,3% dos casos. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) aponta que em 2022 sejam diagnosticados cerca de 180 mil novos casos de câncer de pele, e um estudo recente prevê que o país terá 704 mil novos casos por ano até 2025, sendo que a maior parte dos casos deve ocorrer nas regiões Sul e Sudeste.

Mesmo com índices elevados, o câncer de pele tem altas chances de cura quando diagnosticado precocemente. Para reforçar a importância do diagnóstico precoce surgiu a campanha Dezembro Laranja, promovida pela Sociedade Brasileira de Dermatologia – SDB, que busca justamente conscientizar a população sobre a importância da prevenção do câncer de pele.

O cirurgião oncológico Juliano Rebolho, do Instituto de Oncologia do Paraná – IOP, explica que o câncer de pele é uma doença evitável se medidas preventivas forem tomadas diariamente, como o autoexame, por exemplo. “Basta verificar se há o aparecimento de lesões ou alterações daquelas já existentes, além disso, precisa prestar atenção às pequenas feridas, lesões com ‘casquinhas’, pintas, vermelhidão e verrugas”, cita o médico. Vale lembrar as medidas protetivas, como o uso de protetor solar, roupas adequadas que protegem do sol e óculos escuros de boa qualidade para evitar os raios ultravioletas, além de evitar a exposição solar principalmente no período das 10h às 16h horas. “A prevenção é muito importante assim como o diagnóstico precoce, pois identificado em estágio inicial, a possibilidade de cura é próxima a 100%”, afirma o médico.

PRINCIPAIS TIPOS DE CÂNCER DE PELE

Existem basicamente dois tipos de câncer de pele, sendo o segundo tipo subdividido. Saiba mais sobre os principais tumores de pele:

• Melanoma

Representando apenas 3% dos tumores na pele, ele é mais comum nos adultos com a pele branca e também o mais agressivo, com mortalidade em torno de 50% dos casos. O câncer de pele melanoma surge nas células que produzem a melanina, responsável pela cor da pele. Além da pele, pode afetar também as mucosas, na forma de manchas, pintas ou sinais. Em casos avançados, a lesão é mais profunda e tem grandes riscos de afetar partes do corpo e evoluir com metástase

• Não melanoma

Carcinoma basocelular

Mais comum, no entanto menos agressivo, ele tem evolução lenta e com baixa taxa de mortalidade. O aparecimento desse tipo de câncer de pele tem relação com doenças de pele não-cancerígenas como psoríase e eczema. Esse tumor atinge principalmente as orelhas, couro cabeludo, pescoço, ombros, costas e o rosto. Na maioria dos casos, o carcinoma basocelular é caracterizado por um nódulo translúcido com crosta no centro.

Carcinoma espinocelular

Sendo mais comum em homens, o tumor apresenta a cor vermelha e sangramentos ocasionais e se desenvolve em células escamosas, por uma ferida ou próximo de cicatrizes e pode ter a aparência de verrugas. Pode afetar qualquer parte do corpo, inclusive aquelas que não são expostas ao sol, causando alterações na cor, na textura e na elasticidade.

TESTES GENÉTICOS

Hoje é possível identificar mutações genéticas presentes no melanoma como BRAF e CKIT, podendo serem usadas como alvo para o tratamento personalizado do melanoma. O fator hereditariedade tem um papel importante no desenvolvimento do melanoma. Familiares de pacientes diagnosticados com a doença devem fazer exames preventivos regulares. O risco é aumentado quando há casos registrados em familiares de primeiro grau.

TRATAMENTO

A forma de tratamento para o câncer de pele geralmente é cirúrgica, mas em alguns casos específicos, como no carcinoma, pode ser associada com sessões de radioterapia. Depois dos procedimentos, o paciente deve ser acompanhado entre 5 e 10 anos, mas o cuidado precisa ser permanente, com consultas a um dermatologista, especialista ou cirurgião oncológico pelo menos uma vez ao ano pelo resto da vida.

ABCDE do câncer de pele

Para facilitar a percepção de alterações em manchas e pintas, foi criada uma regra chamada de ABCDE, que consiste na avaliação de cinco características distintas que podem aparecer na pele. A, de assimetria, significa que a lesão possui formato irregular. B, tem a ver com bordas irregulares, ou seja, os limites externos se mostram irregulares. C, a lesão possui coloração variada (diferentes tonalidades de cor, por vezes sem melanina, sendo que, em áreas intratumorais, por vezes nota-se coloração semelhante à da pele adjacente normal). D, o diâmetro da lesão sendo maior do que seis milímetros. E, de evolução. A lesão torna-se progressivamente maior.

Tags

O IOP utiliza cookies e tecnologias semelhantes que nos ajudam a fornecer melhor experiência e navegação. Ao clicar no botão “Concordar” ou continuar a navegar em nosso site, você está ciente e concorda com o uso de cookies.