IOP conta com equipe multiprofissional especializada em terapia nutricional

6 de maio de 2019

Estudos mostram que até 80% dos pacientes com câncer podem apresentar desnutrição no decorrer de seu tratamento. Quando há desnutrição, há maior risco de complicações, menor tolerância ao tratamento com mais interrupções da quimioterapia e até mesmo maior risco de óbito. (Terapia Nutricional).

Aproximadamente 20% dos óbitos na oncologia são decorrentes da desnutrição e não propriamente do tumor. Para ajudar os pacientes com as questões nutricionais, o Instituto de Oncologia do Paraná – IOP instituiu a Equipe Multiprofissional em Terapia Nutricional – EMTN.

Terapia nutricional é fundamental durante o tratamento oncológicoDe acordo com o responsável pela EMTN, o especialista em terapia nutricional Vinicius Basso Preti, também cirurgião oncológico, essa equipe tem como objetivo identificar o mais precoce possível os pacientes em risco de desenvolver desnutrição e os desnutridos e, a partir disso, estabelecer a melhor forma de tratamento. “Apesar de não ser obrigatória em clínicas de tratamento oncológico, o IOP optou por criar a sua própria EMTN, já que durante as reuniões mensais com a equipe multiprofissional são analisadas as melhores formas de tratamento nutricional, o que há de novo na área e discussão de casos mais complexos. Como a desnutrição impacta negativamente no tratamento e na sobrevida dos pacientes com câncer, quanto antes ela ou o risco nutricional forem identificados, maior será o sucesso do tratamento do paciente, e, consequentemente, maiores as chances de vida. A EMTN busca continuamente os melhores tratamentos para a desnutrição.”

A Equipe Multiprofissional em Terapia Nutricional é composta pelas nutricionistas especializadas em oncologia do IOP, pelas equipes de enfermagem e farmácia e por um médico especialista em terapia nutricional. Todos os integrantes da equipe são especialistas na área de oncologia. Durante as reuniões, cada profissional contribui com sua visão do paciente e o que pode estar interferindo com o suporte nutricional. Além disso, a EMTN também possui papel educativo, trazendo novidades para a equipe multiprofissional e também aos pacientes, como palestras aos pacientes, familiares e acompanhantes. “Já era uma rotina do IOP avaliar todos os pacientes antes de iniciar a quimioterapia pelas nutricionistas. Esses pacientes são acompanhados durante todo o tratamento e podem ser encaminhados para o médico especialista em terapia nutricional do IOP. Os pacientes também podem marcar consulta com as nutricionistas e com o médico a qualquer momento”, explica.

Desde o segundo semestre de 2018 os pacientes já têm sido avaliados por dinamômetro, que é um aparelho que mede a força do braço. Quanto melhor esta força, melhor o estado nutricional. A partir do primeiro semestre de 2019, os pacientes também serão avaliados por bioimpedância, que é um método bastante simples que avalia a porcentagem de gordura, de água corporal e de massa magra e, assim, os pacientes terão suas terapias nutricionais de acordo com o diagnóstico. “O paciente oncológico é complexo e os tratamentos necessários para sua cura podem interferir no apetite e na ingestão alimentar. Quando a desnutrição é precocemente identificada, as complicações serão menores e o sucesso do paciente será maior. A EMTN é peça-chave no sucesso do tratamento nutricional do paciente e, consequentemente, na melhora do seu bem-estar e do sucesso do seu tratamento global”, destaca Vinicius Basso Preti.