IOP finaliza Ciclo de Palestras com o tema Imuno-oncologia

9 de dezembro de 2016

O Instituto de Oncologia do Paraná (IOP) realizou na quinta-feira, dia 08, a última edição do ano de seu Ciclo de Palestras voltado ao câncer de cabeça e pescoço. Durante o evento, a farmacóloga bioquímica e molecular Maria Jimena Amaya abordou o tema “Imuno-oncologia”, quando explicou o que há de mais recente sobre o assunto. A Terapia Imuno-Oncológica é um pilar emergente do tratamento do câncer, que utiliza o próprio sistema imunológico para combater a doença. “Nos dias de hoje, entender os mecanismos que o câncer utiliza para escapar do Sistema Imune se torna essencial em vista das novas tecnologias em imuno-oncologia, que visam tornar os tumores novamente visíveis à destruição imune.”

 

O papel da imuno-oncologia é fazer com que ocorra uma alteração da resposta, deixando de ser promotora do tumor e comece a rejeitá-lo, ou seja, tornando o tumor visível novamente ao Sistema Imune. Com esse objetivo, foram desenvolvidas várias imunoterapias para o câncer. De acordo com Maria Jimena, “Desde 1890, as novidades estão sendo apresentadas, como as primeiras vacinas contra o câncer e mais tarde as vacinas contra o HPV, por exemplo. Agora temos os inibidores de check-points, que são os mais recentes e que estão sendo estudados desde 2011”.

 

A imuno-oncologia irá tornar o ambiente de tolerante (promotor do tumor) a um ambiente que rejeite esse tumor. As células de câncer podem usar a via de PD-1, PDL-1 e de CTLA-4 para criar esse ambiente imunossupressor e, por isso, esses inibidores foram desenhados e estão em vários estágios de desenvolvimento para vários tipos tumorais. “A imuno-oncologia é uma área de rápido crescimento e de um volume muito grande de informações que devemos acompanhar, para assim oferecer as melhores alternativas aos pacientes adequados”, finaliza.