IOP realiza pesquisa em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz

22 de junho de 2016

IOP realiza pesquisa em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz

O Instituto de Oncologia do Paraná (IOP) acaba de fechar uma parceria com a Fundação Oswaldo Cruz/Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz/IOC) do Rio de Janeiro, instituição federal vinculada ao Ministério da Saúde e que tem como objetivo promover a saúde e o desenvolvimento social, além de gerar e difundir conhecimento científico e tecnológico. O IOP irá colaborar por intermédio do médico do Departamento de Oncologia e Hematologia Clínica do IOP, Dr. Sergio Lunardon Padilha, e da equipe do seu Centro de Pesquisas Clínicas, com o estudo clínico intitulado “Padronização de testes de diagnósticos da infecção pelos vírus das hepatites B e C em amostras de saliva”.

 

Segundo Dr. Sergio Padilha, trata-se de um projeto idealizado pela doutora Lívia de Melo Villar, tecnologista em Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, onde será possível avaliar a frequência de hepatites virais em pacientes hematológicos, ou seja, aqueles que têm diagnósticos de Mieloma, Leucemia ou Linfoma. “O objetivo do estudo é padronizar a detecção de marcadores de hepatites B e C, realizando a pesquisa através da amostra de saliva dos pacientes com o risco para essas doenças.” A farmacêutica e gerente coordenadora de Pesquisa Clínica do IOP, Marianne Ferreira Marinho, será a responsável pela coordenação de toda a pesquisa realizada no Paraná. Inicialmente, serão 15 pacientes do IOP avaliados. “Iremos coletar as amostras e enviaremos o material biológico para o Rio de Janeiro, sede da instituição. Depois dos resultados, a Fiocruz irá apresentar a incidência dos pacientes que apresentam ou não a disposição para o desenvolvimento das hepatites. Na sequência, será montado um diagnóstico rápido para que o médico possa ter uma ideia se o paciente tem a doença ou a probabilidade desenvolvê-la”, explica.

 

Mais uma vez o IOP mostra a preocupação em oferecer o melhor tratamento para os seus pacientes. A parceria com a Fiocruz vai para aumentar ainda mais a qualidade dos serviços oferecidos. “Além de entrar em contato com profissionais renomados da Fiocruz – a mais destacada instituição de ciência e tecnologia em saúde da América Latina –, o estudo será importante, pois teremos a oportunidade de conhecer mais sobre a incidência das hepatites em pacientes hematológicos e dessa forma traçar o prognóstico do paciente para saber quais os cuidados com a linha de tratamento a ser seguida”, finaliza Marianne.