O ABCD do câncer de pele para um diagnóstico correto

5 de dezembro de 2019

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de pele corresponde a 25% de todos os tumores malignos registrados no Brasil, sendo o melanoma, tipo mais grave, responsável por 4% dos casos.  Detectado em estágio inicial, as chances de cura são elevadas, mas quanto mais tarde o tratamento tiver início, as chances de sobrevida diminuem devido à sua alta taxa de metástase.

O médico do departamento de Cirurgia Oncológica, Dr. Leandro Carvalho Ribeiro, explica que o melanoma apresenta este nome porque é formado por células que produzem melanina, que são pigmentos que todas as pessoas apresentam em diferentes tipos de grau, podendo surgir em peles saudáveis ou em sinais escuros.

Para facilitar a percepção de alterações em manchas e pintas, foi criada uma regra chamada de ABCD, que consiste na avaliação de quatro características distintas que podem aparecer na pele. “A de assimetria, significa que a lesão possui formato irregular. B, tem a ver com bordas irregulares, ou seja, os limites externos se mostram irregulares. C, a lesão possui coloração variada (diferentes tonalidades de cor, por vezes sem melanina, sendo que em áreas intratumorais, por vezes nota-se coloração semelhante à da pele adjacente normal). D, o diâmetro da lesão sendo maior do que seis milímetros.”

ALERTA

O diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento do câncer de pele, mas a prevenção ainda é a principal maneira de se evitar novos casos, além de o paciente sempre fica atento aos sinais que aparecem na pele. “A população está mais conscientes sobre o câncer de pele e as formas de proteção. No entanto, a prevenção não pode ocorrer somente em estações mais quentes. Ela deve ser realizada durante o ano inteiro, já que as radiações solares também estão presentes no outono e no inverno”, aponta Dr. Leandro Ribeiro.

O principal fator de novos casos de câncer de pele é a exposição indevida e excessiva à luz solar, por isso é necessário ficar consciente sobre os horários que são menos nocivos à saúde. Também vale ressaltar a importância de se utilizar o protetor solar adequado para cada tipo de pele e fazer uso de acessórios e roupas que exponham o mínimo da pele aos raios do sol. “Com a conscientização e cuidado com a pele, é possível reduzir cada vez mais os casos desta neoplasia no Brasil”, finaliza.

Agende uma consulta: (41) 3207-9797