O equilíbrio alimentar é mais benéfico que a restrição

28 de março de 2017

Com a ideia de manter o peso ou perder alguns quilos, muitas pessoas adotam dietas que eliminam do cardápio certos nutrientes que são importantes para uma alimentação correta e saudável. Muitas vezes, essas dietas restritivas acontecem sem o acompanhamento de um especialista. Quando essas restrições são feitas por pacientes oncológicos podem acarretar em problemas, inclusive contribuir para o desenvolvimento de novas células cancerígenas.

De acordo com a nutricionista do Instituto de Oncologia do Paraná, Vanessa Arantes, as dietas restritivas podem provocar carência nutricional no organismo, pois são baseadas na ingestão de determinados grupos de alimentos, que muitas vezes não oferecem todos os nutrientes que o organismo necessita diariamente. “Mesmo quando o paciente está em tratamento a nossa orientação é manter o equilíbrio, pois alimentando-se de maneira correta, alguns sintomas que aparecem durante as sessões de quimioterapia, por exemplo, são minimizados.”

Atualmente, as dietas restritivas que estão na moda são aquelas que proíbem o consumo de glúten e lactose. Quando o paciente não apresenta nenhuma intolerância alimentar não é recomendado que faça essas dietas sem acompanhamento. “Isso é um tema que está sendo muito discutido. Para um paciente que não tem intolerância é mais fácil para digestão um alimento sem glúten, mas na prática do dia a dia optamos por não tirar totalmente o carboidrato, ou seja, a farinha branca, e substituímos pela farinha integral. A forma de absorção é diferente. O excesso de sal também deve ser evitado, assim como a gordura animal presente no leite, iogurte, queijo e alguns cortes de carne, além de enlatados e embutidos, pois apresentam alto teor de sódio, que é utilizado principalmente para preservar a maioria dos alimentos”, salienta a nutricionista.

Os alimentos que são à base de carboidratos refinados normalmente são transformados em gordura pelo organismo e também são uma fonte de açúcar, e glicose em excesso é uma das principais fontes de energia das células cancerígenas, por essa razão é necessário ter cautela quando ingerir esses alimentos ou se possível substituir pelas versões integrais, que podem ser até mais calóricas, mas a forma de absorção é diferente e não apresenta o mesmo potencial de gordura. “A nossa principal preocupação é a saúde. Tanto a farinha branca e lactose estão na moda da restrição, mas as pessoas fazem de forma incorreta. Acredito que a alimentação saudável e equilibrada é melhor que a restrição. O vilão das dietas é o exagero, principalmente de produtos industrializados, por isso recomendamos o consumo de alimentos integrais, orgânicos e naturais, além de grãos e carnes magras, possibilitando uma refeição ideal para manter a saúde”, finaliza.