Se detectado no início,90% dos pacientes são curados do Câncer de Testículo

23 de novembro de 2015

Se detectado no início, 90% dos pacientes são curados do Câncer de Testículo

O câncer de testículo, tumor basicamente restrito aos homens de 20 a 40 anos, corresponde a 5% do total de casos diagnosticados, considerado relativamente raro se comparado aos tumores de próstata e intestino. O médico do departamento de Cirurgia Oncológica, Dr. Murilo de Almeida Luz, conta que apesar de ser pouco frequente, o diagnóstico deve ser feito precocemente, já que possui um baixo índice de mortalidade e mais de 90% de cura dos pacientes.

A forma de detecção é simples, geralmente os homens durante o banho podem identificar o surgimento de uma massa sólida no testículo, na maioria das vezes indolor, mas que pode mostrar que algo não está normal. “Esse é na verdade um sintoma que precisa ser investigado com uma certa agilidade, ao sentir o homem deve procurar um especialista, pois o crescimento do tumor de testículo é rápido”, ressalta.

No entanto, os homens também devem ficar atentos com outras alterações, como o aumento ou diminuição do tamanho dos testículos, dor na parte inferior do abdômen, sangue na urina e aumento ou sensibilidade nos mamilos. O tratamento é cirúrgico com retirada do testículo que apresenta o tumor. “O paciente também pode precisar de outros tratamentos adicionais, como quimioterapia ou radioterapia como complementação da cirurgia, porém não é muito frequente. Às vezes, o paciente pode colocar uma prótese no lugar do testículo que foi retirado”, explica Dr. Murilo.

Depois do tratamento, o paciente pode ter uma vida normal, praticamente sem nenhuma sequela. A função sexual e reprodutiva não é afetada, desde que o outro testículo seja saudável. Porém, todos os ex-pacientes devem continuar atentos aos sinais, pois 2% dos homens que já apresentaram tumor em um dos testículos pode desenvolver no outro, na mesma época ou anos depois. “Os homens não devem ter vergonha de procurar acompanhamento médico quando notarem alguma diferença nos testículos, pois o tumor nessa região é altamente curável”, finaliza.

ORIENTAÇÕES:

1 – Procure fazer todos os meses um autoexame dos testículos, especialmente se tem história de tumor de testículo.

2 – Siga as orientações de seu médico quanto ao tratamento complementar e o acompanhamento clínico especialmente nos primeiros anos depois da cirurgia.