Um olhar compassivo ao paciente oncológico

19 de novembro de 2021

Você já parou para pensar em como seria o mundo se as pessoas nunca se colocassem no lugar do outro? Não haveria compaixão ou empatia, que nada mais é do que enxergar os fatos a partir de um ponto de vista diferente do seu, do que está acostumado. Agora, imagine o que é receber um diagnóstico positivo de câncer.

A psicóloga clínica Renata Gonçalves, do Instituto de Oncologia do Paraná – IOP, cita que o medo frente ao diagnóstico e o tratamento é um dos temas mais recorrentes de pacientes. “Nessa hora, a pessoa está lidando com um turbilhão de sentimentos, de emoções, são temores reais e que precisam ser escutados. É a hora em que o serviço de Psicologia se faz presente, visando acolher as angústias, compreendendo a história de vida desse indivíduo e construindo de forma individualizada um acompanhamento que possa auxiliá-lo durante todo o tratamento”.

Iniciar o tratamento contra a doença e contar com o apoio psicológico é fundamental para o paciente. “Ao oferecer o atendimento psicológico, disponibilizamos a possibilidade de escuta ativa e de construção de estratégias para administrar esse momento da melhor forma possível. É comum que haja a preocupação com a alteração na rotina de vida e autoimagem, o medo da morte, a sobrecarga dos familiares (idas à consulta, sessões de quimio/radioterapia, reação a sintomas adversos e que por vezes exigem muito do lado emocional de esposas, maridos, filhos, etc.) e o medo da recidiva. A partir disso, a equipe de Psicologia pode auxiliar o paciente e familiar neste momento desafiador, fornecendo um atendimento humanizado e que olhe para esses indivíduos de forma integral, fazendo com que o paciente e sua família se sintam mais seguros, buscando promover desse modo a boa adesão ao tratamento”, aponta.

O paciente no centro do cuidado

“Todo o cuidar é motivo de emoção, pois em cada cuidado existe uma história singular de um ser humano único, e essa é justamente uma das características da Enfermagem: trabalhar com as emoções tanto de quem cuida, como de quem é cuidado, de maneira que a trajetória seja a mais amena possível. O processo de adoecimento e tratamento oncológico normalmente é longo, e nele muitas etapas são vencidas em conjunto com a equipe da assistência, o que fortalece o vínculo afetivo e a confiança”, destaca Sabrina Nunes Garcia, diretora de Enfermagem do IOP.

Ao longo do ano, milhares de pacientes passam pela equipe de Enfermagem, mas para nós não são apenas números, são pessoas com características particulares, que possuem nomes, sobrenomes, famílias, além de uma rede de apoio que os acompanham a vencer esta etapa da vida.

“Muitas vezes percebemos o quão inevitável é o sofrimento na Oncologia, porém nossa missão é mitigar isso a cada dia, oferecendo o melhor que podemos aos nossos pacientes para que eles se mantenham bem, tanto física quanto emocionalmente. Para tanto, a condução pela equipe multi é essencial, e nossa equipe de Enfermagem está preparada e capacitada para trabalhar essas situações e fazer os encaminhamentos necessários”, aponta Sabrina.

A equipe de Enfermagem está presente em todas as fases que o paciente percorre na Oncologia, desde a prevenção, auxiliando no diagnóstico precoce, até o desfecho do paciente. Em cada fase, os profissionais orientam sobre os cuidados relacionados e, principalmente, sobre manter a qualidade de vida no transcurso do seu tratamento.

Atendimentos personalizados aos pacientes

Como parte do cuidar, o serviço de Enfermagem oferece diversos atendimentos exclusivos aos pacientes IOP, visando o seu conforto e bem-estar durante toda a sua jornada na instituição. São eles:
– Pré-consulta de Enfermagem: destinada aos pacientes que vêm para consulta médica, sendo um dos processos que garante a eficácia no atendimento do paciente ao chegar em uma das unidades, fundamental para a construção do histórico e continuação da assistência;
– Consulta de Enfermagem Especializada e Direcionada: comumente também chamada de SAE – Sistematização da Assistência de Enfermagem, é destinada aos pacientes em tratamento, sendo o processo direcionador para realização das aplicações, bem como o start para encaminhamentos à equipe multi, médico assistente e/ou médico plantonista, visando à segurança para a execução da assistência dentro do setor de quimioterapia;
– Orientações e Acolhimento Personalizados: destinado a todos os pacientes em tratamento, sendo um processo considerado essencial e de extrema importância para que o paciente e seus familiares compreendam melhor o tratamento oncológico, saibam como prevenir e até mesmo agir frente aos possíveis efeitos colaterais, além de contarem com todo apoio e direcionamento de profissionais especializados;
– Controle e Gerenciamento da Dor: voltado aos pacientes que vêm para consulta médica ou para tratamento. “É onde mensuramos a dor do nosso paciente e promovemos ações para controle e/ou melhora, contribuindo com o bem-estar e qualidade de vida”, explica Sabrina;
– Atendimento Domiciliar: destinado a pacientes em tratamento com medicações na forma subcutânea e intramuscular. Esse atendimento visa garantir a segurança e minimizar a circulação e a exposição dos pacientes oncológicos pertencentes aos grupos de risco ao novo coronavírus, garantindo a continuidade do tratamento de maneira segura e com qualidade;
– Crioterapia Capilar: para pacientes em tratamento antineoplásico, sendo um processo que visa reduzir a alopecia ocasionada pela quimioterapia. A indicação é realizada individualmente, em conjunto com o médico assistente, e segue padrões científicos que direcionam a equipe para que a efetividade esperada seja alcançada;
– Time de PICC – Cateter Central de Inserção Periférica: destinado a pacientes em tratamento antineoplásico, o time de PICC é constituído por profissionais de Enfermagem capacitados para realizar o procedimento de implante e manutenção do cateter, o qual oferece diversos benefícios aos pacientes, além do bem-estar e melhora da qualidade de vida durante o tratamento. A indicação também é realizada individualmente, em conjunto com o médico assistente, e é direcionada por padrões científicos e singulares do paciente, a fim de garantir a aderência esperada;
– Enfermeiro Navegador: destinado aos pacientes com indicação de tratamento antineoplásico, a navegação inicia-se antes mesmo da consulta médica, com o objetivo de coordenar os cuidados, acolher e oferecer uma assistência cada vez mais individualizada, especializada e direcionada, auxiliando e otimizando o dia a dia dos nossos pacientes.

Para Sabrina Garcia, esses atendimentos personalizados demonstram o cuidado em sua essência, que mantém o paciente no centro da assistência com o objetivo de empoderá-lo durante toda a sua trajetória. “Além das questões técnicas de qualidade e orientações direcionadas realizadas na instituição, a empatia faz parte da rotina dos nossos profissionais de Enfermagem, o que demonstra a capacidade de melhorar a cada dia, acolher, encantar e promover um ambiente seguro e afetivo além de tudo”.

Quem é o paciente IOP

“O perfil epidemiológico do IOP vem se consolidando ao longo dos 26 anos de história da instituição em consonância com nosso compromisso de manter nossas equipes e corpo clínico sempre atualizados para atender e oferecer o melhor tratamento oncológico a todos os nossos pacientes, independente do nosso perfil.

Predominantemente, são atendidas mulheres com idade entre 46 a 65 anos, com diagnóstico de Neoplasia de Mama, e isso nos motiva a buscar cada dia mais melhorias para essa população, assim como também para as demais, cumprindo nossa missão de ‘Cuidar bem com excelência técnica e superação constante’.

Além disso, o IOP promove ações e atendimentos a todos os tipos de patologias oncológicas, bem como oferece diversos tratamentos e acesso às inovações na área, visando oferecer o melhor, do ponto de vista científico e técnico, aos nossos pacientes e familiares”, pontua a diretora de Enfermagem.

É preciso nutrir… e olhar a condição com empatia

Para algumas religiões, o alimento é sagrado. Para o paciente em tratamento oncológico, uma alimentação saudável deve estar associada à satisfação, ao conforto emocional e, principalmente, à sua cultura. Essa correlação de sagrado, o pão nosso de cada dia, somada a uma assistência nutricional que se adeque ao paciente visa auxiliar nos resultados dos tratamentos oncológicos, além de inibir ou minimizar alguns efeitos colaterais da quimioterapia. Para Karen Inamassu, nutricionista do IOP, “Nós prestamos atendimento individualizado, com foco na prevenção de doenças, na recuperação e na manutenção do estado nutricional do paciente, visando promover melhores condições para sua qualidade de vida e bem-estar, bem como otimizando o resultado do tratamento”.

Além do atendimento a pacientes, o serviço de Nutrição também fornece orientações nutricionais relacionadas ao tratamento de quimioterapia. Cada tratamento para o câncer, ou até mesmo a própria doença, pode trazer efeitos colaterais que influenciam na ingestão dos alimentos.

Karen cita que as maiores dúvidas dos pacientes com relação à alimentação é o manejo dos efeitos colaterais que a quimioterapia pode trazer, como náuseas, diarreia/obstipação, alteração do paladar e neutropenia (baixa da imunidade); alimentação para manutenção e recuperação da imunidade; alimentação para combater a doença.

“É justamente nessa hora que precisamos cuidar para nutrir e termos empatia com esse paciente, pois ele está fazendo o que está a seu alcance para se fortalecer e muitas vezes não consegue, pois o tratamento tem lá suas implicações e complicações”, diz a nutricionista.

O índice de pacientes que se queixam de inapetência (falta de vontade de se alimentar) gira em torno de 15% e cerca de 10% acompanhados apresentam perda de peso – dependendo do caso, pode ser recomendada a terapia nutricional oral, por meio de suplementos orais e indicações da terapia nutricional enteral quando necessário.

As nutricionistas do IOP, Karen e Vanessa Arantes, com um olhar atento e cuidadoso voltado ao paciente, perceberam a necessidade de levar mais informações sobre nutrição, efeitos colaterais do tratamento oncológico e desenvolveram um manual com orientações. Nele, há informações sobre fracionamento de refeições, variedade, alimentos naturais. Destaque para os sintomas que o paciente possa apresentar, como falta de apetite, alteração no paladar, náuseas e vômitos, boca seca (xerostomia), mucosite, disfagia, diarreia, obstipação, dores abdominais e ganho de peso.

Certificações de qualidade: uma segurança para pacientes e colaboradores

Você sabe por que é importante uma empresa ter certificações de qualidade? São métodos de avaliação e certificação, com padrões e requisitos previamente definidos, com o objetivo de promover a qualidade e a segurança da assistência no setor de saúde. É uma garantia que os serviços prestados na área de saúde estão aliados à segurança do paciente e colaborador. O Instituto de Oncologia do Paraná foi a primeira clínica de oncologia certificada com a ISO, em 2005 e hoje está atualizada na norma ISO 9001:2015. Também conquistou o selo da Organização Nacional de Acreditação – ONA, como Acreditado Pleno.
Sempre na busca constante por melhorias em seus processos e fluxos, está implementando os conceitos e metodologia para novas certificações.

“A importância de nos certificarmos vai muito além da conquista de um certificado, é uma mudança de comportamento e transforma a nossa cultura. Está na busca da melhoria contínua da qualidade, dos cuidados aos nossos pacientes bem como proporcionar um ambiente livre de riscos para todos aqueles que circulam em nossas instalações, garantindo os padrões de excelência reconhecidos nacionalmente e internacionalmente”, pontua Rocio Cristina do Rosário, diretora técnica do Grupo IOP.

Mais um benefício para o paciente IOP: parceria com Hospital Marcelino Champagnat

“A parceria IOP e Hospital Marcelino Champagnat – HMC – é uma concretização de um projeto de expansão dentro de um conceito chamado cancer center. Ao atuar com o Hospital Marcelino Champagnat, somaremos alta qualidade e humanização em atendimento”, destaca Ronaldo Amorim, CEO do Grupo IOP.

A proposta de constituir um grande cancer center visa desde a prevenção, diagnóstico e pesquisa até o tratamento do câncer. O objetivo é se tornar referência não somente para Curitiba, mas em todo Paraná e sul do Brasil. Outro benefício da parceria é a localização geográfica do HMC em Curitiba, já que os pacientes do IOP terão mais uma opção de atendimento na região leste da cidade.

Três palavras-chave que vão contribuir em muito para o conforto e bem-estar do paciente: tecnologia de ponta, como em cirurgias robóticas, excelência da qualidade do serviço prestado, endossada por acreditações como ISO e ONA, e humanização.

Buy traffic for your website