Você sabe o que é linfedema?

12 de fevereiro de 2021

Você sabe o que é linfedema?

Após o tratamento do câncer é possível que pacientes apresentem alguma parte do corpo mais inchada, normalmente o braço. No entanto, poucas sabem o que devem fazer quando isso ocorre. Trata-se do linfedema, que é o acúmulo de líquido linfático (linfa) no tecido adiposo.

As causas para o surgimento dos linfedemas podem ser primárias, quando existem problemas congênitos nos vasos linfáticos, ou secundárias, em casos onde essas condições foram adquiridas através de uma infecção ou alguma cirurgia que provocou algum dano no sistema linfático. Em pacientes oncológicos, pode ocorrer o linfedema (inchaço) depois de uma cirurgia onde os linfonodos são removidos, como no câncer de mama.

O mastologista Lucas Budel, do Instituto de Oncologia do Paraná – IOP, explica que assim que a paciente perceber o surgimento do linfedema é fundamental a avaliação para identificar em qual fase ele se encontra. “Na fase inicial pode se tratar de uma sensação de peso no membro acometido que regride após o estímulo da circulação linfática. No estágio mais avançado a pele torna-se ressecada, friável, com coloração escura e aspecto de casca de laranja, vulnerável a infecções e com perda da função devido ao inchaço irreversível.”

Caso a doença evolua e o indivíduo não receber o tratamento adequado, pode ocorrer a fibrose dos tecidos adjacentes e o edema se tornar irreversível, podendo causar deformações e incapacidades no local afetado. “O tratamento do linfedema varia de acordo com a fase que se encontra. A fisioterapia descongestiva é uma modalidade que consiste na linfodrenagem manual que atua no sistema linfático superficial, aumentando a passagem da linfa para as vias secundárias de drenagem. A pressão não pode ser excessiva, devendo ser feita por um profissional especializado. Para a manutenção e controle do edema o uso de contenção elástica mantém e otimiza os resultados obtidos na drenagem. Outras formas de tratamento também são validadas como a cinesioterapia, pressoroterapia e estimulação elétrica. As cirurgias de anastomose linfovenosa e transferência de linfonodos são procedimentos de alta complexidade e podem ser usados quando houver indicação.”