Agende uma consulta

Você sabe o que é recidiva e por que isso acontece?

Uma preocupação em comum entre pacientes que realizaram tratamento oncológico é se um dia ele pode voltar. Existe até uma palavra para significar esta volta: recidiva, que é o retorno ou recorrência do câncer, ou seja, ele pode voltar em pouco tempo ou mesmo anos após o término do tratamento oncológico. Em geral, a recidiva ocorre porque as células liberadas pelo tumor tratado se espalharam pelo corpo e ficaram inativas por algum tempo voltando depois a crescer.

Vale dizer que alguns tipos de câncer variam em sua capacidade de retornar ao organismo (recidivar) e isso pode acontecer de três maneiras:
. Recidiva local: quando o câncer volta no mesmo lugar onde houve a primeira ocorrência da doença;
. Recidiva regional: o câncer volta próximo ao lugar onde ele apareceu pela primeira vez, normalmente, em linfonodos próximos;
. Recidiva metastática distante ou metástase a distância: quando o câncer volta em outra parte do corpo, geralmente distante de onde ocorreu pela primeira vez, por exemplo: a pessoa teve câncer de mama e acaba desenvolvendo a doença nos pulmões, ossos, etc.

As taxas de recorrência da recidiva podem variar entre os tipos de câncer e suas características, como estadiamento, perfil do tumor, fatores genéticos, fatores relacionados ao paciente e tratamentos.

Afinal, por que o câncer pode voltar?

“O paciente faz seu tratamento, entra em remissão, porém, pode acontecer que algumas células cancerígenas podem não ser totalmente destruídas. Isso em absoluto significa que o tratamento recebido estava errado, mas sim que um número pequeno de células cancerígenas sobreviveu ao tratamento. Com o passar do tempo, essas células podem crescer, se multiplicar indiscriminadamente e se transformar em tumor ou câncer, passível de detecção pelo médico”, pondera Reitan Ribeiro, cirurgião oncológico do Instituto de Oncologia do Paraná – IOP.

Segundo informação da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica – SBOC, um tumor de 1 cm³ pode abrigar até 1 bilhão de células cancerosas. Por essa informação, é possível perceber como se torna impossível a detecção de poucas células tumorais no local atingido.

Acompanhamento médico é fundamental

Para descobrir o tipo de recorrência que o paciente foi acometido poderão ser realizados exames de laboratório e procedimentos de imagem, que ajudarão a determinar onde o câncer retornou ao corpo, se ele se espalhou e até que ponto. “É isso que chamamos de reestadiamento”, cita Dr. Reitan.

Não há uma maneira de saber se a doença irá ou não voltar pós-tratamento. Porém, vale como alerta: quanto mais difícil de tratar um tipo de câncer, maior é a possibilidade dele recidivar.

Segundo Dr. Reitan, fazer o acompanhamento depois do tratamento é fundamental. “Consultas regulares bem como uma rotina de exames periódicos, conforme cada caso, devem ser realizados. Se houver alguma suspeita de retorno do tumor, procure imediatamente o seu médico.”

Tags

O IOP utiliza cookies e tecnologias semelhantes que nos ajudam a fornecer melhor experiência e navegação. Ao clicar no botão “Concordar” ou continuar a navegar em nosso site, você está ciente e concorda com o uso de cookies.